Facebook quer registrar 4 milhões de eleitores nos EUA

Rede social deseja aumentar participação de eleitores nas eleições nos EUA trazendo orientações sobre voto e combatendo a desinformação.

O Facebook quer ter uma participação mais ativa e relevante nas eleições americanas deste ano e pretende ajudar mais pessoas a se registrarem para votar. Esta foi a declaração de Mark Zuckerberg em um artigo publicado por ele no USA Today.

As eleições presidenciais nos Estados Unidos acontecem em Novembro. Até lá, o Facebook tem a meta de ajudar 4 milhões de eleitores a se registrar, além de compartilhar informações sobre a votação e controlar a veiculação de anúncios políticos.

Mark Zuckerberg chamou esta iniciativa de “o maior esforço de informações sobre votação na história dos EUA”.

Centro de Informações de Votação

O Facebook divulgou um novo Centro de Informações de Votação. Por meio deste painel, a rede social compartilha informações atualizadas sobre as eleições.

O Centro de Informações de Votação aparece na parte superior dos feeds do Facebook e do Instagram. Ele traz orientações sobre registro e como votar, informações sobre votação por correspondência e de forma presencial, além de anúncios de autoridades eleitorais sobre quaisquer mudanças no processo.

centro de informações de votação do facebook
Centro de Informações de Votação – Fonte: Facebook

O principal objetivo do Facebook é incentivar as pessoas a votar – já que nos Estados Unidos o voto não é obrigatório.

Segurança e transparência no processo eleitoral

Além disso, o Facebook divulgou seu compromisso de reduzir a influência de redes estrangeiras que procuram interferir nas eleições utilizando as mídias sociais. Este foi o cenário visto nas eleições americanas de 2016 onde interferências externas estimularam divisões políticas durante a corrida eleitoral. O próprio Zuckerberg admite que o Facebook demorou em identificar estas interferências na plataforma.

Por causa disso, nos últimos quatro anos, a rede social enfrentou diversas acusações por não proteger a plataforma destas campanhas maliciosas coordenadas, das fake news e de outros conteúdos questionáveis.

Agora, porém, o Facebook quer escrever uma nova história. A rede social se arma da melhor maneira para impedir que brechas sejam usadas para comprometer o processo eleitoral.

Portanto, inteligência artificial e moderação realizadas por pessoas reais estão sendo utilizadas para identificar e combater a desinformação.

Como declarado pelo CEO do Facebook, “é nossa responsabilidade proteger a integridade do voto”.

Anúncios políticos

Com relação à publicidade durante as eleições americanas, foram divulgadas novidades por Mark Zuckerberg. A biblioteca de anúncios foi atualizada para aumentar a transparência que ela oferece e dar às pessoas mais controle sobre os anúncios que veem.

Assim, os anúncios políticos continuam sendo veiculados normalmente, como aconteceu nas últimas eleições. Os anunciantes podem exibir os anúncios na rede social utilizando as ferramentas de segmentação padrão.

No entanto, os usuários agora podem desativar a exibição de anúncios políticos. Desta forma, eles deixam de visualizar todos os anúncios eleitorais enquanto navegam na rede social. Com este novo recurso, os usuários têm maior controle sobre aquilo que veem no Facebook e no Instagram.

“As eleições de 2020 serão diferentes de qualquer outra. Já seria uma campanha acalorada – e isso antes da pandemia e do assassinato de George Floyd”, declarou o CEO do Facebook. “Com grande parte do nosso discurso ocorrendo online, acredito que plataformas como o Facebook podem desempenhar um papel ainda mais positivo nessa eleição”.