COVID-19 – Os Impactos do Coronavírus no Varejo

Como as marcas e empresas podem enfrentar este momento de Coronavírus e continuar oferecendo experiências relevantes para o público-alvo.

Em cidade após cidade, varejistas estão baixando temporariamente as portas. É uma medida tomada visando diminuir a forte disseminação do Coronavírus (COVID-19)

Em cada canto do planeta, as pessoas estão mudando seus hábitos. Isolamento tem sido palavra de ordem. Com isso, os hábitos de consumo sofrem alterações.

As mudanças impactam também o consumo de informação online. Não é à toa que títulos relacionados a epidemias estão no top 10 da Netflix. As buscas no Google sobre o assunto Coronavírus também mostram o crescente interesse sobre o tema, conforme veremos mais adiante.

Sim, não há dúvidas de que o Coronavírus está causando um forte impacto nos negócios em todo o mundo, incluindo o Brasil. E isto tem afetado todos os setores.

Como sua empresa pode gerenciar este problema com êxito?

Neste estudo, vamos apresentar para você o impacto do COVID-19 sobre a economia. Você entenderá um pouco mais sobre o comportamento das pessoas (incluindo seus clientes) em tempos de Coronavírus. Além disso, verá como continuar oferecendo uma experiência relevante para seu público-alvo apesar de vivermos hoje em uma pandemia.

O Impacto do Coronavírus na Economia Global

Para analisar o impacto que o Coronavírus ainda trará sobre o mercado brasileiro, convém ficarmos de olho com o que acontece lá fora.

Os principais efeitos colaterais do COVID-19 no mercado são os seguintes:

  • PIB menor;
  • Aumento do dólar;
  • Redução no crédito;
  • Diminuição das vendas em lojas físicas;
  • Aumento das vendas online.

Segundo estudos do grupo McKinsey, há 53% de chance de acontecer uma recessão econômica nos Estados Unidos, no próximo ano. Algumas previsões mais pessimistas falam de recessão global.

Setores Com Crescimento

Sim, o Coronavírus tem causado efeito de crescimento nos lucros de alguns segmentos.

Os que mais se destacam são aqueles que oferecem vendas online.

Com o isolamento forçado, as pessoas têm procurado produtos e serviços de entretenimento.

Outros segmentos aquecidos são aqueles relacionados a alimentos, bebidas e cuidados de higiene em geral.

Um exemplo de setor com forte crescimento neste período são os supermercados.

Por este motivo, muitos supermercados têm investido em contratar mais funcionários para atender a demanda e manter as prateleiras com estoque suficiente.

Especialmente em tempos de incerteza, as pessoas precisam ter acesso a alimentos e itens básicos de uso doméstico.

No entanto, com o crescimento do número de pessoas infectadas, a circulação em supermercados pode diminuir significativamente.

Setores Mais Prejudicados

Os setores mais prejudicados estão relacionados com itens que não são de primeira necessidade. Portanto, nos países mais afetados por Coronavírus, como Itália e Alemanha, o maior decréscimo acontece nos setores de vestuário e móveis.

E o Coronavírus já causou o pedido de falência de uma rede britânica de móveis:

Como o Brasil ainda está alguns dias atrás na epidemia em relação a estes e outros países mais afetados, entende-se que este comportamento será padrão também em nosso país. Na verdade, estes setores já começam a perceber o impacto do COVID-19.

Outros setores afetados negativamente são aqueles que exigem que a pessoa saia de casa e tenha contato com outras pessoas.

Isto acontece em especial quando o contato é prolongado, tais como em:

  • Salões de beleza;
  • Barbearias;
  • Academias;
  • Restaurantes e lanchonetes, especialmente quando o consumo acontece no próprio local;
  • Viagens;
  • Passeios em geral.

Como as Marcas Lidam Com a Nova Realidade

O que estamos presenciando é uma queda significativa de clientes nas lojas físicas. Tudo isso sem contar o fechamento temporário de algumas lojas.

Para lidar com isto, muitas lojas têm alterado o formato de entrega dos seus produtos:

  • Sem contato pessoal nas lojas.
  • Entrega em domicílio, também sem contato pessoal (neste caso, o entregador deixa o produto na porta e se afasta).

Como já mencionado, existe também o crescimento das vendas online. Para e-commerces, a pandemia tem resultado em aumento de acessos e vendas.

Portanto, se você atua localmente em sua cidade, poderá disponibilizar as vendas online com entrega em domicílio.

Com a falta de álcool em gel, algumas empresas utilizam um marketing atrativo: na compra de algum item da loja, o cliente ganha um pequeno frasco de álcool em gel.

Isto permite aumentar a exposição da marca, ao mesmo tempo em que contribui para impedir a disseminação da doença.

O Coronavírus no Google

O Google é um dos principais termômetros da internet para entender o interesse das pessoas sobre determinado tema.

Em um estudo divulgado pela empresa, os principais termos relacionados ao COVID-19, nos últimos 7 dias, são os seguintes:

  • O que é Coronavírus?
  • Onde surgiu o Coronavírus?
  • Coronavírus tem cura?
  • O que fazer se pegar Coronavírus?
  • O que fazer para evitar pegar o Coronavírus?

Mas como esta preocupação tem afetado o setor do varejo?

O Google tem percebido um crescimento no interesse por receitas para a pessoa preparar sua própria refeição.

A tendência é que refeições mais complexas, que exigem maior preparo, sejam menos procuradas.

Em alguns países, como a Itália, houve um aumento de buscas por itens relacionados à categoria da Informática.

Nas últimas semanas, dentre as categorias do varejo no Brasil, a categoria Limpeza é a de maior destaque. A média de pesquisas é 30% maior no período destacado.

Estratégias Para as Empresas Lidarem Com o Coronavírus

Como mencionado acima, algumas empresas já estão lidando de forma criativa com o novo comportamento das pessoas diante desta pandemia.

Portanto, o que você pode fazer para manter sua empresa lucrativa durante esta fase?

Diante de tudo o que foi visto, seguem algumas dicas:

  • Disponibilize a compra online com entrega em domicílio;
  • Comunique seus clientes sobre qualquer mudança no atendimento, incluindo mudanças no horário de funcionamento;
  • Não altere preços de forma oportunista;
  • Ofereça opções adicionais de pagamento, incluindo abertura de linhas de crédito (lembre-se que, diante das incertezas, os consumidores se tornam mais cautelosos na hora de gastar);
  • Estabeleça novos padrões de higiene nas suas lojas (como funcionários com máscara e uso constante de álcool em gel em balcões, mesas e equipamentos).

Nos próximos dias e semanas, é importante que sua empresa seja rapidamente encontrada pelos usuários que darão preferência para compras online.

Para isso, convém desenvolver estratégias de marketing online, melhorando o posicionamento do seu site nas buscas do Google e também em redes sociais.

Para saber mais, veja como gerenciar campanhas do Google durante a COVID-19.